Ter?a-Feira, 21 de Maio de 2019



Notícias
Ajustar texto:

Federação

Legislação Previdenciária

  • IN 45 INSS
  • IN 77 INSS
  • IN 69 INSS

Legislação Trabalhista

Pauta da ABTP com presidenciáveis propõe mais participação privada na gestão portuária
Por: Portos e NAVIOS
Postado em: 11/09/2018 as 13:32:41

A ABTP estima que esses gargalos represem investimentos da ordem de R$ 15 bilhões para infraestrutura portuária do país, com potencial de geração de 120 mil empregos diretos e indiretos. Nos encontros com os candidatos, os associados pedem a adequada aplicação de recursos para a infraestrutura de acesso aos portos e seus canais de navegação. A entidade identifica disposição do empresariado para investir em ampliações e melhorias de instalações portuárias para atender ao aumento da demanda de carga. No entanto, alega que destravar esses investimentos depende de um Estado menos interveniente e menos burocrático. 

 

Na visão da ABTP, uma vertente da descentralização pode ocorrer por meio de uma gestão mais focada, inclusive junto a uma eventual recriação da Secretaria de Portos. Outro caminho enxergado pela associação é o das companhias docas voltando a desempenhar outras atividades, além da de gestoras de condomínios. A avaliação é que grande parte das decisões do setor portuário tomadas nos últimos anos foi concentrada em Brasília.

 

O diretor-presidente da ABTP, José Di Bella, explica que existem diversos modelos possíveis, desde a venda de ativos (privatização) até concessões e mudanças na gestão dos portos organizados. Ele cita o modelo adotado pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que tornaria a administração mais ágil e permitiria à iniciativa privada trazer efetivamente transparência nas decisões de investimentos. A ABTP acredita que esse é o modelo mais saudável para que essas estruturas sejam adequadamente geridas e desburocratizadas já que, enquanto companhias públicas, elas estão sujeitas a todo regramento de uma empresa do governo.

 

Di Bella ressaltou que, por o setor portuário ser complexo, a solução de descentralização deve ser avaliada caso a caso. Ele deu exemplo de Barra do Riacho (ES), onde se discute uma concessão com a criação de uma empresa privada independente, que faria gestão de um condomínio portuário e teria a  Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) como acionista minoritária e que entraria com o terreno.

 

A ABTP também mantém diálogo com o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPA) sobre o custo médio de capital utilizado para cálculo dos arrendamentos (WACC), que foi reduzido de 10% para 8%. Segundo a associação, essa mudança representa impacto de até 400% no custo de arrendamento, tornando o setor menos atrativo e dificultando a atração de investimentos. A ABTP atribui o baixo interesse de investidores nos últimos certames à apreciação em demasia do negócio imaginado pelo governo. “Se continuar assim, vai se licitar Suape (PE) e outros lugares e não haverá interessados”, alerta Di Bella. Ele afirma que o MTPA tem se mostrado sensível ao tema.




After falling in replica handbags love with Beatrice,gucci replica handbag Pierre immediately worked hard. In 2009, after dropping out of college, he took over a hermes replica handbags construction company founded handbag replica by his father and became a replica handbags major shareholder. Later he became the vice president of the Monaco Yacht Club. Personally, it has reached 50 million US dollars.

termos MPT/PGT

Acesso Restrito

  • Balancetes
  • Prestação de Contas
  • Atas

Sindicato dos Estivadores






contato : 61 3224.1599 / 3323.2242
FEDERA??O NACIONAL DOS ESTIVADORES
SCS - QUADRA 01 BLOCO "G" SALA 506 - EDIFICIO BARACAT
CEP 70309-900 - BRASILIA/DF
SIGA-NOS
? 2015 FNE - Todos os direitos reservados.